Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Small Church

Small Church

Primeiro ou décimo oitavo?

A afirmação surgiu no início de uma notícia sobre a seca que ameaça agravar-se em Portugal. Para compor a introdução a jornalista disse que o mês de fevereiro de 2019 tinha sido o mais quente desde 1931. Já tinha ouvido isto antes e, na altura, fui verificar. Parecia-me que, apesar de alguns dias mais primaveris, fevereiro não tinha sido assim tão quente. Fui ao site do IPMA e constatei que minha perceção leiga não estava errada. Os dados factuais são estes:

- O valor médio da temperatura média do ar, 10.62 °C, foi superior ao valor normal, +0.64 °C. Valores da temperatura média superiores aos agora registados ocorreram em cerca de 20% dos anos, desde 1931.

- O valor médio da temperatura máxima do ar, 16.79 °C, foi o valor mais alto desde 1931, com uma anomalia de +2.41 °C.

- O valor médio da temperatura mínima do ar, 4.46 °C foi inferior ao normal, -1.12 °C. Valores da temperatura mínima inferiores aos agora registados ocorreram em cerca de 35% dos anos, desde 1931.

Ou seja, fazendo as contas, o mês de fevereiro de 2019 foi o 18º mais quente desde 1931 e não o mais quente. Diferença considerável, sobretudo se tivermos em conta que estamos a falar de jornalismo e não de uma conversa de café. O valor mais alto desde 1931 foi o da média da temperatura máxima. Se usássemos esse valor como referência cairíamos no absurdo de ter o mês mais quente e, ao mesmo tempo, ter um dos meses mais frios, porque a média da temperatura mínima foi inferior à registada em cerca de dois terços dos fevereiros desde 1931.

Temos aqui um bom exemplo da forma como o jornalismo trata alguns assuntos que andam no topo da agenda mediática. Parece-me claro que uma das razões tem a ver com os próprios jornalistas. Alguma iliteracia e alguma falta de tempo para reflexão ajudam a debitar de forma acrítica afirmações contorcidas como a da notícia. Está lá “temperatura máxima” e está lá ”valor mais alto desde 1931” então não se pensa duas vezes antes da afirmação definitiva. Mas para além da iliteracia e da falta de tempo há também uma espécie de voluntarismo pró-causa que não tem problema nenhum em passar a verdade para segundo plano. É para “salvar o planeta”? É para “tornar o mundo habitável para as próximas gerações”? Tudo o que ajude a causa, mesmo que seja o mau profissionalismo, é legítimo e bem-vindo.

Em resumo: cuidado. Notícias sobre o clima tem que ser bem escrutinadas. O primeiro pode ser, afinal, o décimo oitavo.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D