Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Small Church

Small Church

Joaquín Salvador Lavado

Quino.jpeg

Era o único artista que eu fazia questão de ter um autógrafo. Agora já não dá, já não vou a tempo. Joaquín Salvador Lavado, mais conhecido por Quino, faleceu hoje, em Mendonza, Argentina.

Desde miúdo, nos pequenos livros retangulares com as tiras da Mafalda, que me habituei a conviver com o seu humor. Os álbuns de cartoons (agora diz-se “humor gráfico”)  também estiveram por perto na adolescência e juventude, e, ainda hoje, continuam a merecer visitas regulares. O que ficou de tão estreito convívio não consigo, objetivamente, avaliar. Mas sei que foi importante. Sei que na minha forma de ver o mundo há uma pitada de Quino.

Numa avaliação rápida, e em jeito de homenagem, destaco três aspetos que considero importantes na obra de Quino, e que fazem dele um dos maiores.

O permanente apelo à capacidade de conseguirmos rir de nós próprios. Quantas vezes, nos cartoons ou nas tiras da Mafalda, depois do sorriso vem o judicioso “Eh pá, eu sou um bocado assim…”?

O humor construtivo. Não tem nada a ver com o fugir do conflito ou evitar ferir suscetibilidades. Sim, o humor pode ser áspero, pode, e deve, tocar na ferida, mas se arder deve ser para curar, nunca para ferir ou destruir.

A capacidade de conseguir contar histórias apenas com imagens (às vezes, muitas vezes, apenas com uma).  Para quem, como eu, tem uma relação difícil com as palavras, elas não fluem, tem de ser sacadas, esta é uma possibilidade deslumbrante que não consigo deixar de admirar.

Obrigado, grande Quino! Ficou a faltar o autógrafo mas o mais importante está cá: os livros.

Estar a caminho

"Deus é o nome pelo qual designo todas as coisas que cruzam meu caminho com violência e temerariamente, todas as coisas que alteram os meus planos e intenções, e mudam o curso da minha vida, para melhor ou para pior."

Carl Jung                           

 

O meu Deus é pessoal e uma identidade e nisso não penso como Jung. Mas estou a caminho, e não sei em que parte, se no início ou meio, concerteza que não perto do final, de um dia estar convicto de que, em termos psicológicos, a ligação ao divino bastará para a cura, isto é, para o crescimento. A oração é o meio.

A angústia do pessimista perante a melhor notícia do século

O primeiro reator de fusão pode estar a dois ou três anos de distância. Esta notícia é o rascunho do maior avanço tecnológico do século, aquele que vai salvar o mundo e mudar o destino da Humanidade. As consequências civilizacionais estarão quase ao nível da descoberta do fogo. É uma nova era que está quase a começar em que uma tecnologia quase totalmente limpa poderá ser implantada no meio de cidades ou no deserto.

Ninguém gosta de otimistas como eu. Prefere-se o apocalipse que confirme o mal estar. Dir-se-ia que se necessita dele para disfarçar a falta individual de esperança.

Mas desta vez vão perder e vão ter que enfrentar a esperança de que o mundo futuro das crianças de hoje vai ser inagualável. O ser humano vai dar a volta aos problemas ambientais e ganhar a batalha de produção de energia suficiente para a população mundial atual. Junte-se-lhe a nanotecnologia e a o desenvolvimento em Inteligência Artificial e daqui a 50 anos o mundo é outro, um bem melhor.  

 

Um momento importante

Jesus diz “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.”
Cristo sabia o que o Pai iria fazer. Se a uns poucos ou à Humanidade, de certeza que iria ser terrível. E se Cristo não o tivesse pedido? E se o Pai não tivesse atendido à sua prece?
Vivemos um tempo de Graça. 

Amigos e Aliados

Embaixador dos EUA em Lisboa diz que Portugal tem de escolher entre EUA e China

O embaixador norte-americano em Lisboa defende que Portugal tem de escolher entre os “amigos e aliados” EUA e o “parceiro económico” China, alertando que escolher a China em questões como o 5G pode ter consequências em matéria de Defesa.

 

Bem, o melhor é começar por definir o que as coisas querem dizer.

Amigo: aquele que tem com alguém uma relação de amizade / partidário, simpatizante /admirador, apreciador / defensor, protetor / aliado, cúmplice (...)

Aliado: que formou aliança com; unido, associado / relativo a aliança / diz-se de país ou organização que está ligado (por tratado, convenção ou pacto) / diz-se de pessoa que apoia outrem; cúmplice

 

Dear V. Exa., o Sr. Embaixador dos EU, cujo nome não me dei ao trabalho de pesquisar, no SOBERANO e quase milenar Portugal: por duas inesquecíveis ocasiões visitei a sua pátria. Tal foi o espanto perante da grandeza da beleza do deserto, visto da estrada (para só mencionar uma coisa fenomenal e não umas dez ou vinte), e a simpatia da esmagadora maioria dos muitos americanos que conheci durante as minhas décadas que, vistas bem as coisas, para um tipo simples como eu, é impossível não gostar dos EU.

Já a política externa da sua grande nação, não é de hoje, nem de ontem, nem mesmo de há um século atrás, deixa muito, muitíssimo a desejar. Pelo que, devo dizer tranquilamente, não confundo a "política externa americana" com "o povo americano".

Porém, aqui, recuando os séculos, mas mantendo as línguas maternas, temos uma história que muito nos marca. Até deu origem a uma expressão: Os amigos de Peniche.

Estamos queimados... Já não temos pachorra para "aliados". Muito menos "amigos". "Consequências em matéria de Defesa"? Quem nos defenderá da Google, Facebook e outros? Sabemos, sabemos bem, que entre nações contam apenas "relações económicas". No mais, estanques são as bandeiras. De maneira que entre China e EUA, a decisão terá sempre a ver com "de onde vem ou para onde vai a massa". E já agora, não é precisamente isso que representa o popular American Dream?

Quando alguém profere uma frase tão nacionalmente política como America First, acaba de escolher um caminho. Não tenho um único amigo que me diga "Eu primeiro". Não tenho um único aliado que construa um muro à minha volta.

Tudo tem um motivo. Tudo tem consequências. O jogo está em aberto.

O que é correcto ? (2)

«As ações de David também mostraram a sua confiança na soberania de Deus. O Senhor não precisava dos planos ou da espada de David para que a Sua vontade fosse executada. Às vezes ficamos incomodados ou lutamos quando vemos pessoas que nos parecem egoístas perseguindo a realização de planos que, em nosso entender, são nitidamente contrários à vontade de Deus. Mas é preciso termos cuidado para não contrariar ou tentar impedir a realização dos planos de Deus com os nossos pontos de vista pessoais.»

João Regueiras, Lições da Escola Dominical, David poupa a vida a Saul, pp 45   

(Baseado em 1 Samuel 24:1-22)

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D