Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Small Church

Small Church

Números Transvestidos

"(...) Personagens LGBTQ estão mais presentes nas séries, mas ainda há tabus"

(https://mag.sapo.pt/tv/atualidade-tv/artigos/mundo-lgbtq-cada-vez-mais-presente-na-tv-mas-ainda-existem-tabus)

Sendo aceitável que, por exemplo, cinema e televisão retratem, mal ou bem, estatisticamente falando, a realidade, é "normal" que este assunto esteja presente e tenha "tempo de antena". Porém, algumas perguntas me ocorrem.

Se esta realidade existe retratando uma esmagadora minoria, porque será que na minha percepção o assunto vem aos ecrans em torrencial maioria?

Com tantas séries e filmes sobre o assunto ou mencionando-o, e ainda atendendo à estatística das coisas da vida real, pergunto: quantas vezes vimos um dos referidos personagens ser o mau da fita? E já que pergunto quantas, e sabendo a resposta, pergunto porquê.

Haverá na cabeça do lobby algum tabu?

Importâncias Trocadas

importanciafla.jpg

Caro JJ, tem estado muito tempo por fora. Deixe-me explicar:
Em Portugal, o Sporting é sempre o assunto mais importante, mesmo que apenas um ou dois gajos desconhecidos se passem da cabeça e tentem agredir um segurança.
Sermos ouro em futebol de praia em jogos internacionais, também não é mau.
Os treinos do Miguel Oliveira tem óbvia importância e até a conta bancária de um conhecido arruaceiro tem mais importância do que o Flamengo.

A Batalha das Nossas Vidas

O casamento é uma batalha. A única batalha em que todo o guerreiro deve estar preparado, motivado, e até ansioso para perder.

Estar disposto a dar a vida pelo cônjuge. Nada menos que isto.

O estado do mundo – acrescento

Roubo o título do post ao Pedro, uma vez que os assuntos me parecem relacionados. 

Nos Estados Unidos, a Google e o Pinterest foram denunciados e acusados de censura por funcionários, tal como já tinha acontecido com Twitter ou New York Times, por exemplo.

Seguem-se os casos. Clicar nos links para aceder aos videos.

No caso da Google foram mostradas evidências (email e filmagens) de que esta despromove com os seus algoritmos não só a visibilidade online de algumas figuras consideradas conservadoras (Jordan Peterson, David Rubin e Ben Shapiro, entre outros), mas também que está a trabalhar numa estratégia com vista à não reeleição de Trump.

O Pinterest, através de algoritmos, não permite que ideias Pró-Vida (anti-aborto) sejam referidas no seu site e isto sem que os autores das publicações o saibam. Além disso, é impossível fazer pesquisas sobre passagens bíblicas, uma vez que os termos relacionados, talvez por receio de extremistas, estão catalogados pelo motor de busca ao nível da pornografia, o que não se passa, note-se, com qualquer outra religião.

O Project Veritas, uma iniciativa jornalística conservadora focada em obter através de denúncias, e de filmagens/gravações ocultas, situações de censura, má fé ou má conduta por parte dos meios de comunicação e empresas como a Google ou Facebook, é a responsável por estas peças. Ressalvando que os métodos da Veritas não me parecem muito éticos, e que muitas das filmagens e gravações aparecem truncadas e editadas de um modo que pode derramar suspeita sobre a honestidade das peças, penso que vale a pena dar uma espreitadela.

Todas estas situações dos últimos dias têm sido olimpicamente ignoradas pelos media mais mainstream e progressistas, talvez por Trump já ter falado sobre elas.

 

O estado do mundo - continuação

A polémica com Israel Folau continua. O jogador mais bem pago do râguebi australiano foi despedido pela federação que tutela a modalidade por ter colocado no Instagram uma citação da Bíblia que apresenta a homossexualidade (entre outras situações) como pecaminosa. Em resposta à quebra do contrato por parte da federação o jogador pretende agora avançar com uma ação judicial alegando estar a ser discriminado pela expressão das suas convicções religiosas. Pela dimensão mediática que tomou, o desfecho desta disputa legal será muito importante para futuro da liberdade de expressão tanto na Austrália como no resto do mundo - se a censura vencer em países como a Austrália o assalto global fica mais fácil.

Duas notas sobre os artigos que se vão publicando por cá.

A qualidade do jornalismo. Rigor e imparcialidade? Para quê, se já toda a gente sabe quem são os "bons" e quem são os "maus"... Também não parece haver problemas deontológicos com o uso sistemático de rótulos pejorativos e a poupança acentuada de argumentos com mais de duas palavras

Bem a plataforma GoFundMe na liberdade de escolher quem usa o site mas contraditória na argumentação para o fazer. A GoFundMe "não tolera qualquer ação que promova a discriminação ou exclusão" e por isso... exclui. Quem pense de maneira diferente em temas tabu terá que sair - nesses casos não há nada para discutir, só há para concordar.

Legislação adolescente

No banco, aguardando a minha vez para ser atendido. É hora de almoço e há menos funcionários. Irei esperar quase um quarto de hora, o que não sendo grave cria alguma impaciência. Um pouco antes de ser atendido entra no banco um homem na casa dos trinta. Olha em volta, espera um pouco e torna a sair. Passam dois ou três minutos. Já chamaram a senha anterior á minha e eu preparo-me para ser atendido. Entretanto o homem que saíra volta a entrar, agora acompanhado por uma mulher e por criança com uns quatro anos que saltita à sua volta. Tira a senha. Surge o aviso sonoro do próximo atendimento e eu procuro no écran a indicação do guichê. Não está lá o número da minha senha mas um AP qualquer coisa. O homem de trinta anos, a mulher e a criança dirigem-se ao guichê vago e são atendidos.

Demoro uns segundos a entender o que se passou. O que quer dizer AP? Hum… atendimento prioritário? Sim, é isso: atendimento prioritário. Percebo a história. O homem foi buscar a criança (e a mãe veio atrás) para ser atendido imediatamente e não ter que aguardar o tempo que os outros foram obrigados a esperar. Já há algumas semanas tinha acontecido algo semelhante no supermercado, quando um casal, com um bebé dormindo angelicalmente no carrinho, passou à frente de toda a fila. A justificação foi a mesma: atendimento prioritário.

Este é apenas um entre muitos exemplos de leis obtusas que vão sendo lançadas no nosso caminho. Outro exemplo é a lei que proíbe o abate de cães, que já está a colocar em risco a segurança de algumas populações e a ameaçar a saúde pública. Às vezes parece que não há adultos no Parlamento, homens e mulheres maduras que pesem as propostas de lei e antecipem as consequências do que vai ser aprovado. Parecem adolescentes – “Bute fazer uma lei fixe?!” e debitam-se boas intenções sem haver preocupação de saber se na prática os objetivos são concretizados ou, pior, subvertidos.

Afinar a máquina

Sempre desconfiei que algumas notícias de transferências futebolísticas são produzidas por máquinas. Isso em si não tem nada de mal. Afinal não passa de entretenimento.

Sugiro, ainda assim, que passe a haver humanos a supervisionar os algoritmos e as combinações aleatórias produzidas. É que estas às vezes parecem ir longe demais, mesmo sabendo nós que a verdade ou rigor, no contexto, seriam meras bizarrias.

slb_sapo.PNG

 

 

Os Dias Mais Importantes

A cada um o DMI que merece. A cada um o DMI que o aleatório lhe traz.

Os dias mais importantes (DMI) surgem do céu e são os passos finais de labirintos. Como o de ontem, inesperado como todos os outros, em que acordei pela manhã um e adormeci outro já depois da meia-noite.

O sopro dos DMI é forte e revolve. Os olhos transformam-se num novo modo de vida e o coração muda também de formato, passando o seu pensar a estar afastado de que era.

É importante saber identificar um DMI. Uma forma confiável é o que se sente ter mudado não ser mensurável. Não se passa a ser mais isto ou menos aquilo. Nada disso. É bom que não existam adjetivos e melhor ainda não haver substantivos. Aí não há que enganar e um sabe que pode confiar no seu daemon sem reservas.

Os primeiros dias após um DMI podem ser confusos, como aconteceu com o DMI anterior em que a minha ideia infantil de um Deus voluntarioso e atuante foi substituída pela do grande silêncio com que ele nos observa e dirige. Mas também podem ser claros, como este, e cheios de força e vigor.

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D